Malásia e Singapura – o regresso à civilização

Ao final de 32 horas de viagem, a mais longa até à data, chegámos a Kuala Lumpur, a capital da Malásia. Por não sabermos ao certo quando íamos chegar à cidade, não reservámos nenhum quarto e tivemos de nos “colar” a uma ABC (American Born Chinese, tal como a própria se apresentou), muito simpática, por sinal. Foi com a mesma que nos dirigimos, a pé, em direção ao hostel, percurso durante o qual nos fomos apercebendo da diversidade cultural existente, figurada quer no rosto das pessoas (malaios, indianos e chineses), quer nos edifícios e ruas. Depois de atravessarmos toda a Chinatown, chegámos ao hostel.

Passámos mais um dia na cidade, por onde andámos a divagar entre estradas, edifícios, parques, fontes, museus e mesquitas. Nesta cidade vimos ainda as maiores torres gémeas do mundo – as “Petronas”. Regressámos ao hostel com a imagem de uma cidade influenciada pela religião muçulmana, a religião mor do país.

Ao terceiro dia, deixámos então aquela cidade com rumo a Malaca, uma ex-colónia portuguesa (apenas 2 horas de viagem, como quem vai a Vila Meã, ali logo ao lado).

Naquela cidade simpática, onde passámos dois dias, sentimo-nos, mais uma vez, “todos vaidosos”. Os portugueses chegaram a Malaca em 1511 e deixaram muitas marcas por toda a cidade, durante os 130 anos que lá permaneceram.

Mas Malaca foi igualmente inglesa, holandesa e japonesa. Mas foi atrás das pegadas portuguesas que andámos a marcar as nossas:

fomos a igrejas, visitámos uma réplica de uma nau portuguesa, ruínas de um forte, uma região de Malaca chamada Portuguese Settlement (colonização portuguesa), onde ainda vivem os descendentes dos navegadores dos descobrimentos que ficaram na Malásia depois da retirada de Portugal (em 1641), e mesmo pessoas, mais propriamente o Sr. Jorge Alcântara.

Este senhor conversou connosco usando o português que aprendeu com os pais (e que poucos praticam), mostrando-nos que, apesar da distância (do tempo e do espaço) se mantêm algumas tradições. Tanto que nos cantou excertos da música do “Malhão” e do “Bailinho da Madeira”, falou-nos das festas dos Santos Populares e danças típicas portuguesas. Curiosamente, ficámos a saber que algumas palavras do malaio tê^­m raízes portuguesas, como “soldadu”, “sepatu” e “mantega”. Seguidamente, o Sr. Jorge mostrou-nos alguns livros de registos que tem com dedicatórias escritas em português, que recolheu de pessoas que iam àquele zona almoçar ao “restaurante Lisboa”, do qual ele é dono. Vimos mensagens escritas por portugueses, brasileiros, timorenses, macaenses… e que tinham mais anos do que nós, e foi depois de lermos algumas que escrevemos a nossa. Fomos jantar ao mesmo restaurante, mas infelizmente não serviam cozido à portuguesa, então ficámo-nos por um frango de fricassé (devidamente adaptado ao paladar local)- nada mau para matar saudades. Veja excertos da entrevista no seguinte vídeo.

Concluída a nossa missão na Malásia, zarpámos para Singapura, o nosso 21º país. E aí começa a aventura que vos prometemos contar, cá vai: quando estávamos a atravessar a fronteira e prestes a entrar no país, o raio-x de controlo denunciou algo, razão pela qual me pediram (Tiago) que abrisse a mochila. Perguntaram-me então se transportava algo que não tivesse sido declarado, como cigarros, ao qual eu respondi negativamente. Qual não foi o meu espanto quando me disseram que estava a transportar algo estritamente proibido no país: uma bala.

E sim, estava mesmo lá. Uma bala com 9.5 de calibre e 9cm de comprimento.
Recuemos uns países atrás até aos Killing Fields, Camboja, lembram-se? Foi lá que, surpreendentemente, me deparei com uma bala no chão, toda suja de terra e com aspeto velho. Pego, olho, comento com o Gonçalo e, com a felicidade de quem acabou de encontrar um souvenir bastante incomum, coloco-a na mochila e continuo a visita aos campos. Na Tailândia, alguns dias depois, vejo-a no bolso da mochila e, já sem me lembrar que a tinha guardado, passo-a por água para tirar a sujidade e coloco-a junto com as outras pequenas recordações que tenho comprado/ trazido de cada país. Passei duas fronteiras sem ter sido “detetado”, mas a terceira foi de vez. Estupidamente, nunca me lembrei que aquilo pudesse criar algum problema, era tão velha e sem arma a bala não serviria de nada. Fui então levado para uma sala com alguns policiais, fui interrogado, levaram-me para outra sala, quiseram saber todos os pormenores, tive de assinar papeis, tirar impressões digitais, mostrar fotografias do sítio onde a encontrei, levaram-me para outro piso, fui de novo interrogado, perguntaram-me se tinha intenções terroristas e quiseram saber a história toda de novo. Registaram o percurso todo de viagem e as datas em que permaneci no Camboja. Vi na mesa já um arquivo com fotocópia do passaporte, de vistos, uma foto ampliada da bala, as minhas declarações todas por escrito, parecia um verdadeiro criminoso. No final de cerca de duas horas, deixaram-me sair, mas ficaram-me com o passaporte para garantir que não saía do país enquanto continuavam a investigação. Que grande susto…

E eu (Gonçalo) lá estava: sentadinho na sala de espera, onde me serviram café e me ofereceram biscoitos e rebuçados. Falaram comigo sobre tudo para que não me aborrecesse e deixaram-me inclusive trabalhar no computador, eu cá só me ria…

Quando tudo acabou, o autocarro, obviamente, já tinha seguido sem nós, e por isso tivemos de comprar outro bilhete para a Little India, a zona onde íamos ficar alojados. No dia seguinte de manhã fomos conhecer Singapura.

Neste dia, resolvemos não usar transportes públicos, queríamos chegar ao centro da cidade a pé, e não foi assim tão difícil. Desde cedo nos apercebemos da perfeita consonância existente entre o desenvolvimento em massa e a natureza que a cidade ostentava , os arranha céus e estradas estavam em perfeita harmonia com as árvores e os relvados. Tudo magnificamente limpo – resultado da enorme preocupação de limpeza daquele país, onde é proibido até mascar pastilhas elásticas.

Quando chegámos à baixa da cidade, tudo aquilo nos pareceu um autêntico museu de arquitetura, mas à escala real. Contornes, formas, tamanhos, estilos, todos os edifícios tinham a sua particularidade e a sua assinatura única naquele estupendo panorama. À noite, a cidade ganhava outra vida e mostrava a sua outra face iluminada, igualmente maravilhosa. Sempre cosmopolita e movimentada, as palavras que descrevem o país.

Em termos de qualidade vida, pareceu-nos excecional. É segura, a média de ordenados é alta, a taxa de desemprego baixa, com muitas oportunidades e coisas para fazer – pareceu-nos uma ótima cidade para se viver. Mas atenção, para nós portugueses (e para a maioria dos países europeus), o custo de umas “férias” na cidade é bem elevado…

Por tudo isto, adorámos Singapura!

Selamat tinggal, kawan!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

6 respostas a Malásia e Singapura – o regresso à civilização

  1. Manuel Pedro Marmelo diz:

    Olá Tiago e Gonçalo,
    Vou seguindo a vossa viagem e as vossas aventuras. Visitei a Malásia e Malaca há aproximadamente 20 anos e fiquei extremamente emocionado com as pessoas que encontrei no “Portuguese Settlement” e que falavam Português Cristan do século 17. A Vossa experiência faz-me recordar essa viagem magnifica e enriquecedora. Boa continuação e parabéns pelo caminho percorrido desde o nosso breve encontro em Colva – Goa.

  2. Isabel Azevedo diz:

    Mas que rico souvenir, Tiago… estás proibido de nos pregares mais sustos!
    Imagino a vossa emoção ao ouvir o Sr. Jorge, parece uma pessoa muito afável e simpática, e ainda por cima trauteia umas musiquinhas em Português. Nós, realmente, fomos tão longe!
    Como sempre, ler estas crónicas e ver as reportagens fotográficas com que nos têm presenteado, faz-me sentir bem pertinho de vocês e desses locais fantásticos por onde têm passado. Obrigada por isso!
    Beijinhos com muito orgulho, e atenção, muita atenção!

  3. Cristina Saraiva diz:

    Adorei a crónica, a vossa descrição é fantástica, e então o vídeo ao Sr. Jorge Alcântara está fabuloso, fiquei bastante comovida, é uma pessoa muito engraçada, afável, e ao cantar as nossas músicas… bem viu-se muito bem a vossa alegria e emoção ao encontrar uma pessoa assim, não é para menos. Quanto ao Tiago, deve ter sido um sustito, mas que felizmente acabou bem. Continuem assim, pois como sempre estão muito bem, e como se dizia no Escutismo “Sempre Alerta”. Beijinhos aos dois com muita saudade.

  4. Sofia diz:

    A entrevista ao Sr Jorge Alcantara emocionou-me,ainda ha pessoas pelo mundo fora que continuam a ter orgulho das suas raizes,fantastico sem duvida.Parabens Goncalo e Tiago,a continuacao de boa viagem !Be safety.

  5. Gena Nascimento diz:

    A sério meninos!!!!Uma Bala????
    Sinceramente!!
    Nem parece coisa de quem já percorreu meio mundo!
    Mas como tudo está bem quando acaba bem, o que interessa é que o Tiago se safou, e que vai ser mais uma historia engraçada, que vai ficar na vossa memoria.
    Já agora Tiago o que foi que te assustou mais, foi a cena da viagem de comboio para Moscovo ou essa com a policia? A do comboio com certeza absoluta!!
    Mas também, vocês não têm cara de terroristas!
    O resto da cronica, foi uma vez mais excelente , juntamente com as fotos que a complementam, e que nos transportam para os lugares que descrevem.
    Divirtam-se meninos, e muito cuidado por favor!
    Beijinhos grandes

  6. MFA diz:

    Fantástico!!!
    …Pela vossa imersão por locais que nos deixam um sabor a “inveja”!
    …Pela balística experiência que enriquece o vosso portfólio (neste caso do Tiago) e vos alerta para “todos os cuidados são poucos”!
    …Pela vossa escrita cada vez mais refinada e mais rica, e porque não, “saborosa”!
    …Por serem quem são!
    Beijos saudosos
    Aos “meus” lobos aventureiros!
    MFA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s